2012 - Corinthians 1x0 Vasco

2012 - Corinthians 1x0 Vasco
Em cena histórica, Paulinho abraça torcedor pelas grades do Pacaembu
Pacaembu
,
Corinthians Escudo do Corinthians
1 x 0
Vasco Escudo do Vasco

Ficha Técnica

Placar: Corinthians 1 x 0 Vasco

Data: 23.05.2012  

Estádio: Pacaembu

Campeonato: Libertadores

Público: 17.259 pagantes

Escalação:Cássio, Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos, Ralf, Paulinho, Danilo, Alex, Emerson e Jorge Henrique.

Técnico: Tite

Mais uma vez o Corinthians disputava uma vaga para seguir na Libertadores. Nosso elenco era forte, raçudo, resoluto, mas ainda havia tensão. Somente uma vez o Corinthians tinha passado daquela etapa, e a conquista da América havia se tornado uma obsessão.

Por esse motivo, ainda maior era o peso daquela decisão para jogadores e torcida. O primeiro jogo, no Rio, havia terminado em um empate sem gols, o placar estava aberto – e tudo seria decidido aquela noite, no Pacaembu.

Muitos torcedores pensam nesse jogo como o jogo-chave para a conquista. O jogo onde nos livramos do peso da responsabilidade e nos apoiamos no peso da nossa camisa, da nossa história, e mais do que nunca, da nossa torcida. 

O jogo começou truncado, os dois times com forte marcação se estudavam. O Corinthians jogava sem um jogador de referência no ataque, e o primeiro lance para o gol só aconteceu com Sheik aos 20 minutos. No clima tenso, Jorge Henrique leva cartão amarelo ainda na primeira etapa, e Cássio sofre um choque e cai desacordado.

O empate se estende e o jogo começa a tomar proporções de drama. O segundo tempo, trouxe um Corinthians mais criativo, que apesar de maior volume de jogo não conseguia finalizar. O nervosismo era tanto que aos 11 minutos, Tite foi expulso de campo.   

E o inacreditável aconteceu. O treinador saiu do vestiário e se dirigiu para a arquibancada, e acompanhou o resto da partida no meio da Fiel. Como um presságio, o ato de Tite lembrava que aquilo não era pra ser um jogo normal, que ali tinha mais que futebol em campo, tinha coração, tinha o Corinthians.

E assim, do jeito mais corintiano que poderia ter sido, Paulinho apareceu, de cabeça, aos 42 minutos e marcou o gol salvador e em êxtase, correu para a Fiel. Começava ali o enredo final, porque quem assistiu sabia que aquele era o gol com a cara do título, o gol com a cara do Corinthians.

Comentários

  • 1000 caracteres restantes