2012 - Corinthians 2x0 Boca Juniors

2012 - Corinthians 2x0 Boca Juniors
O título inédito corou o trabalho de um elenco, diretoria e torcida em sintonia
Pacaembu
,
Corinthians Escudo do Corinthians
2 x 0
Boca Juniors Escudo do Boca Juniors

Ficha Técnica

 

Placar: Corinthians 2 x 0 Boca Juniors

Data: 04.jul.2012

Estádio: Pacaembu

Campeonato: Libertadores

Público:  37.959 pagantes

Escalação: Cássio; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Paulinho, Ralf e Alex (Douglas); Jorge Henrique (Wallace), Emerson (Liedson) e Danilo

Técnico: Tite

 

Ídolos que jogaram

Enfim chegava o grande dia, uma final inédita da Libertadores, uma final inédita para o Corinthians. No primeiro jogo, o que se viu foi uma invasão alucinada de corinthianos na Argentina, que mesmo sem ingresso, partiram para apoiar o time em outro país.

Ainda assim, era o Boca Juniors. Havia um temor no nome, em parte pela tradição - time copeiro, jogadores marrentos - em parte pelo caldeirão que todos sempre diziam ser a Bombonera.

Mas ali, em campo naquele dia, entrou o Corinthians, que não se abateu, não se amendontrou. O jogo foi truncado, mas o Timão havia feito sua parte e trouxe o empate para casa. 

Agora era na nossa casa. Sob os olhares atentos e o canto de apoio da Fiel. Havia ansiedade, mas havia a sensação de que não tinha mais como esse jogo escapar. 

O jogo foi tenso, como se esperava de uma final desse porte. No primeiro tempo, muitos erros no meio campo, algumas tentativas pro Corinthians, algumas menos para o Boca. Aos 33 minutos, o goleiro argentino pipoca, e alegando dores sai substituído.

A primeira etapa acaba, agora faltavam 45 minutos, e pelo menos um gol. E aos 8 minutos do segundo tempo, ele veio: do calcanhar de Danilo para Sheik, que de frente para o goleiro não perdoou. A Fiel explodia no Pacaembu.

O Boca ainda tentava, não se abatia, mas cometia erros que o Corinthians, mais tranquilo pelo gol não repetia do outro lado. Dessa vez tinha que ser do Corinthians, e foi. Aos 27 minutos, Sheik, inspirado, marcou a saída de bola do time argentino e ficou novamente de frente pro gol. Gol do Corinthians. 

O Pacaembu era todo grito, choro, alegria. Poucos se lembram dos minutos que se sucederam a esse gol, os minutos que nos separavam do grito final de Campeão. E aos 48 minutos, fim de jogo. Estávamos libertados, invictos e mais que nunca, incontestáveis.

Comentários

  • 1000 caracteres restantes